Então vamos lá, você é um idiota. Cara, como você consegue ser tão idiota? Como cabe tamanha estupidez em uma pessoa só? Você veio ao mundo e só porque estava com o nariz vermelho, quis ser um palhaço. E também é estupido. Pode parecer que idiota e estupido são as mesmas coisas, mas você consegue separar e superar o significado dessas palavras. E também, você não sabe ver as horas. Porque quem sabe ver as horas não deixa ninguém esperando duas horas e meia, antes de chegar com a cara mais lavada do mundo, e dizer que não viu o relógio. E falando em cara lavada, não existe no mundo um ser mais descarado como você, fala besteiras na maior altura, como se todos ao redor estivessem de platéia, tentando entender suas piadas sem graças. Graça, algo que precisa ser apresentado à você com urgência. Mas eu rio das suas piadas, e me odeio por isso as vezes. A normalidade entra na linha do não-existe com você, e as vezes, a educação também. Não adianta escrever os nossos nomes com o dedo no céu, pelo amor, quem inventou isso? E por que você faz? Qual o sentido? E não, as estrelas cadentes não são cometas, não são! Pare de me desiludir. E você é um especialista em destruir sonhos. Cara, custava deixar eu acreditar que eu poderia ser astronauta? Tinha que me dizer todas as teorias de conspiração de que o homem nunca foi na lua e blá… não precisava! E essa mania de me encarar? Fica aonde? E ainda pergunta o porquê de eu virar o rosto, desviar o olhar e ficar vermelho. Você já se encarou com essa mesma expressão no espelho? Já viu a cara de maniaco estripador que tu fica? Não, essa cara não é sexy, guarde bem isso, assusta, é feia, e cá entre nós, é mais engraçada que suas piadas, mas sexy não. E não discuta comigo, babar não é sexy! Quando nesse mundo alguém disse que babar enquanto dorme é sexy? De que universo veio isso? E barba, essa porcaria de barba mal feita não deveria ficar bem em você, porque você fica mais homem, porém com jeito de criança. Daquelas crianças birrentas ainda, que você diz não, elas sorriem e fazem. Queria eu poder é te dar um puxão nessas orelhas de abanar fogo, porque, não tem cabimento, só não é maior que esse nariz, que você deveria considerar a hipótese de cirurgia. Tudo bem, não são tão grandes assim, e eu gosto. Mas seu pé! A há! Seu pé! E que pé. Calça quanto? Quarenta e nove? Cinquenta? E ainda pisa no meu pé e acha que não dói… experimenta um pisão seu pra ver! Mas uma coisa supera tudo: quanto mau gosto! Mau gosto pra se vestir, mau gosto pra falar essas frases cuspidas de qualquer linguajar maroto que não me interessam nem um pouco saber de que buraco saiu. Mau gosto pra comida, me obriga a comer essa pizza de cinco queijos, que você consegue ver o óleo em cima, avisando que você vai engordar pelo menos uns três quilos só de sentir aquele cheiro. Mau gosto pra filmes, onde você ainda não entendeu que eu odeio zumbis? E que eu odeio armas, guerras, caras mascarados esfaqueando todo mundo e filmes de humor que eu fico mais assustado com sua risada no meio do nada que achando graça daquilo. Mas o seu pior mau gosto, sem duvidas, foi eu. Não tinha pessoa no mundo melhor? Eu não gosto de nada, por achar que nada gosta de mim, eu odeio noventa e nove por cento das coisas existentes no mundo. E você está em grande parte desses noventa e nove por cento, mas de alguma forma, consegue tomar só pra você o um por cento inteiro de que eu não odeio. Consegue me fazer te perdoar essas manias irritantes e essa carência de cão sem dono. Consegue ser meloso a ponto de me fazer querer te afastar com chutes, mas me dá espaço quando eu não consigo olhar pra sua cara. E você volta, como você consegue voltar depois de tanta burrada? Eu te xingo do caralho a quatro, digo que te odeio e choro, cara, eu te odeio! Eu choro por sua culpa, choro de raiva, porque eu não consigo ficar com raiva. Choro que nem criança e te mando embora, mesmo você sendo a única pessoa que consegue me fazer parar de chorar. E você sabe disso, porque você não vai. E, de tudo, eu odeio mostrar meu lado bom pra alguém. Odeio deixar que me vejam vulnerável, mas você me obriga a contar as histórias mais tristes e sentidas da minha vida, só pra depois de rir, e me fazer rir, dizer que isso não vai acontecer daqui pra frente. Daqui aonde, para ser exato? Praticamente estamos caminhando no vácuo, para uma direção que você inventa e diz ser a certa. Eu nunca precisei de ninguém, meu coração e um freezer, desses bem vagabundos de boteco, eram quase a mesma coisa. Não ligava pra amor, não dava a minima para as pessoas que iam embora. E eu conto as horas, sim, eu conto até os minutos quando você liga falando que está vindo. E a porcaria do tempo para nessas porcarias de vezes que você liga. E nada sai do jeito que eu quero. Penso um filme antes de você chegar, me faço prometer a mim mesmo que eu não vou te dar tanta corda, que não vou te dar atenção, que vou te dar aquela ignorada bem caprichada, pra você ver que meu mundo não gira em torno dos seus olhos de criança quando vê algum doce. E se dá certo? Claro. Que não. Você faz a porcaria da minha vida querer você em cada cantinho dela, pra bagunçar cada prateleira que eu arrumei com tanto cuidado. Aliás, eu tomei cuidado em cada detalhe para não chegar nesse exato momento, onde eu vou ficar aqui pensando em cada detalhe seu só pra passar o tempo, fazendo uma coisa que, de uma hora pra outra, se tornou rotina: pensar em você. Cair por você. Morrer por você. E justo eu que sempre achei que não morreria por ninguém, estou sendo a pessoa que atira e corre pra pular na frente e te salvar. Hipocrisia, não é? Pois é. E agora eu me pergunto: eu me arrependo? E te odeio um pouco mais por causa dessa resposta. Não, eu não me arrependo. E sim, minha vida depois de você não se compara com aquele inferno de cidades de metais e pedras, que eu vagava todos os dias, tentando fugir da nostalgia do azul-claro do meu quarto. E você me faz isso, me faz admitir coisas que eu morreria negando. Gostar de você é uma delas. E não, eu não vou dizer que te amo tão cedo. Mesmo entregando todos os meus segredos de bandeja. Esse você não me arranca fácil. Mesmo que seja uma tortura imaginar esse sorriso ao ouvir tamanha babaquice. Porque você costuma rir de coisas babacas e idiotas, por isso é assim, mas… pois é. Você é um idiota por completo. Eu odeio idiotas. Mas eu não consigo odiar você, nem um pouquinho, e isso me mata. Você me mata. Mas eu já disse que por você, eu morreria. E feliz. Eu morreria feliz. A culpa é mesmo das estrelas?   (via calculada)

(Source: alentador)

Quote posted on 18/04 at 8:46 pm | 1577 notes Reblogue!
Então vamos lá, você é um idiota. Cara, como você consegue ser tão idiota? Como cabe tamanha estupidez em uma pessoa só? Você veio ao mundo e só porque estava com o nariz vermelho, quis ser um palhaço. E também é estupido. Pode parecer que idiota e estupido são as mesmas coisas, mas você consegue separar e superar o significado dessas palavras. E também, você não sabe ver as horas. Porque quem sabe ver as horas não deixa ninguém esperando duas horas e meia, antes de chegar com a cara mais lavada do mundo, e dizer que não viu o relógio. E falando em cara lavada, não existe no mundo um ser mais descarado como você, fala besteiras na maior altura, como se todos ao redor estivessem de platéia, tentando entender suas piadas sem graças. Graça, algo que precisa ser apresentado à você com urgência. Mas eu rio das suas piadas, e me odeio por isso as vezes. A normalidade entra na linha do não-existe com você, e as vezes, a educação também. Não adianta escrever os nossos nomes com o dedo no céu, pelo amor, quem inventou isso? E por que você faz? Qual o sentido? E não, as estrelas cadentes não são cometas, não são! Pare de me desiludir. E você é um especialista em destruir sonhos. Cara, custava deixar eu acreditar que eu poderia ser astronauta? Tinha que me dizer todas as teorias de conspiração de que o homem nunca foi na lua e blá… não precisava! E essa mania de me encarar? Fica aonde? E ainda pergunta o porquê de eu virar o rosto, desviar o olhar e ficar vermelho. Você já se encarou com essa mesma expressão no espelho? Já viu a cara de maniaco estripador que tu fica? Não, essa cara não é sexy, guarde bem isso, assusta, é feia, e cá entre nós, é mais engraçada que suas piadas, mas sexy não. E não discuta comigo, babar não é sexy! Quando nesse mundo alguém disse que babar enquanto dorme é sexy? De que universo veio isso? E barba, essa porcaria de barba mal feita não deveria ficar bem em você, porque você fica mais homem, porém com jeito de criança. Daquelas crianças birrentas ainda, que você diz não, elas sorriem e fazem. Queria eu poder é te dar um puxão nessas orelhas de abanar fogo, porque, não tem cabimento, só não é maior que esse nariz, que você deveria considerar a hipótese de cirurgia. Tudo bem, não são tão grandes assim, e eu gosto. Mas seu pé! A há! Seu pé! E que pé. Calça quanto? Quarenta e nove? Cinquenta? E ainda pisa no meu pé e acha que não dói… experimenta um pisão seu pra ver! Mas uma coisa supera tudo: quanto mau gosto! Mau gosto pra se vestir, mau gosto pra falar essas frases cuspidas de qualquer linguajar maroto que não me interessam nem um pouco saber de que buraco saiu. Mau gosto pra comida, me obriga a comer essa pizza de cinco queijos, que você consegue ver o óleo em cima, avisando que você vai engordar pelo menos uns três quilos só de sentir aquele cheiro. Mau gosto pra filmes, onde você ainda não entendeu que eu odeio zumbis? E que eu odeio armas, guerras, caras mascarados esfaqueando todo mundo e filmes de humor que eu fico mais assustado com sua risada no meio do nada que achando graça daquilo. Mas o seu pior mau gosto, sem duvidas, foi eu. Não tinha pessoa no mundo melhor? Eu não gosto de nada, por achar que nada gosta de mim, eu odeio noventa e nove por cento das coisas existentes no mundo. E você está em grande parte desses noventa e nove por cento, mas de alguma forma, consegue tomar só pra você o um por cento inteiro de que eu não odeio. Consegue me fazer te perdoar essas manias irritantes e essa carência de cão sem dono. Consegue ser meloso a ponto de me fazer querer te afastar com chutes, mas me dá espaço quando eu não consigo olhar pra sua cara. E você volta, como você consegue voltar depois de tanta burrada? Eu te xingo do caralho a quatro, digo que te odeio e choro, cara, eu te odeio! Eu choro por sua culpa, choro de raiva, porque eu não consigo ficar com raiva. Choro que nem criança e te mando embora, mesmo você sendo a única pessoa que consegue me fazer parar de chorar. E você sabe disso, porque você não vai. E, de tudo, eu odeio mostrar meu lado bom pra alguém. Odeio deixar que me vejam vulnerável, mas você me obriga a contar as histórias mais tristes e sentidas da minha vida, só pra depois de rir, e me fazer rir, dizer que isso não vai acontecer daqui pra frente. Daqui aonde, para ser exato? Praticamente estamos caminhando no vácuo, para uma direção que você inventa e diz ser a certa. Eu nunca precisei de ninguém, meu coração e um freezer, desses bem vagabundos de boteco, eram quase a mesma coisa. Não ligava pra amor, não dava a minima para as pessoas que iam embora. E eu conto as horas, sim, eu conto até os minutos quando você liga falando que está vindo. E a porcaria do tempo para nessas porcarias de vezes que você liga. E nada sai do jeito que eu quero. Penso um filme antes de você chegar, me faço prometer a mim mesmo que eu não vou te dar tanta corda, que não vou te dar atenção, que vou te dar aquela ignorada bem caprichada, pra você ver que meu mundo não gira em torno dos seus olhos de criança quando vê algum doce. E se dá certo? Claro. Que não. Você faz a porcaria da minha vida querer você em cada cantinho dela, pra bagunçar cada prateleira que eu arrumei com tanto cuidado. Aliás, eu tomei cuidado em cada detalhe para não chegar nesse exato momento, onde eu vou ficar aqui pensando em cada detalhe seu só pra passar o tempo, fazendo uma coisa que, de uma hora pra outra, se tornou rotina: pensar em você. Cair por você. Morrer por você. E justo eu que sempre achei que não morreria por ninguém, estou sendo a pessoa que atira e corre pra pular na frente e te salvar. Hipocrisia, não é? Pois é. E agora eu me pergunto: eu me arrependo? E te odeio um pouco mais por causa dessa resposta. Não, eu não me arrependo. E sim, minha vida depois de você não se compara com aquele inferno de cidades de metais e pedras, que eu vagava todos os dias, tentando fugir da nostalgia do azul-claro do meu quarto. E você me faz isso, me faz admitir coisas que eu morreria negando. Gostar de você é uma delas. E não, eu não vou dizer que te amo tão cedo. Mesmo entregando todos os meus segredos de bandeja. Esse você não me arranca fácil. Mesmo que seja uma tortura imaginar esse sorriso ao ouvir tamanha babaquice. Porque você costuma rir de coisas babacas e idiotas, por isso é assim, mas… pois é. Você é um idiota por completo. Eu odeio idiotas. Mas eu não consigo odiar você, nem um pouquinho, e isso me mata. Você me mata. Mas eu já disse que por você, eu morreria. E feliz. Eu morreria feliz. A culpa é mesmo das estrelas?   (via calculada)

(Source: alentador)

Quote posted on 18/04 at 8:45 pm | 1577 notes Reblogue!
Então vamos lá, você é um idiota. Cara, como você consegue ser tão idiota? Como cabe tamanha estupidez em uma pessoa só? Você veio ao mundo e só porque estava com o nariz vermelho, quis ser um palhaço. E também é estupido. Pode parecer que idiota e estupido são as mesmas coisas, mas você consegue separar e superar o significado dessas palavras. E também, você não sabe ver as horas. Porque quem sabe ver as horas não deixa ninguém esperando duas horas e meia, antes de chegar com a cara mais lavada do mundo, e dizer que não viu o relógio. E falando em cara lavada, não existe no mundo um ser mais descarado como você, fala besteiras na maior altura, como se todos ao redor estivessem de platéia, tentando entender suas piadas sem graças. Graça, algo que precisa ser apresentado à você com urgência. Mas eu rio das suas piadas, e me odeio por isso as vezes. A normalidade entra na linha do não-existe com você, e as vezes, a educação também. Não adianta escrever os nossos nomes com o dedo no céu, pelo amor, quem inventou isso? E por que você faz? Qual o sentido? E não, as estrelas cadentes não são cometas, não são! Pare de me desiludir. E você é um especialista em destruir sonhos. Cara, custava deixar eu acreditar que eu poderia ser astronauta? Tinha que me dizer todas as teorias de conspiração de que o homem nunca foi na lua e blá… não precisava! E essa mania de me encarar? Fica aonde? E ainda pergunta o porquê de eu virar o rosto, desviar o olhar e ficar vermelho. Você já se encarou com essa mesma expressão no espelho? Já viu a cara de maniaco estripador que tu fica? Não, essa cara não é sexy, guarde bem isso, assusta, é feia, e cá entre nós, é mais engraçada que suas piadas, mas sexy não. E não discuta comigo, babar não é sexy! Quando nesse mundo alguém disse que babar enquanto dorme é sexy? De que universo veio isso? E barba, essa porcaria de barba mal feita não deveria ficar bem em você, porque você fica mais homem, porém com jeito de criança. Daquelas crianças birrentas ainda, que você diz não, elas sorriem e fazem. Queria eu poder é te dar um puxão nessas orelhas de abanar fogo, porque, não tem cabimento, só não é maior que esse nariz, que você deveria considerar a hipótese de cirurgia. Tudo bem, não são tão grandes assim, e eu gosto. Mas seu pé! A há! Seu pé! E que pé. Calça quanto? Quarenta e nove? Cinquenta? E ainda pisa no meu pé e acha que não dói… experimenta um pisão seu pra ver! Mas uma coisa supera tudo: quanto mau gosto! Mau gosto pra se vestir, mau gosto pra falar essas frases cuspidas de qualquer linguajar maroto que não me interessam nem um pouco saber de que buraco saiu. Mau gosto pra comida, me obriga a comer essa pizza de cinco queijos, que você consegue ver o óleo em cima, avisando que você vai engordar pelo menos uns três quilos só de sentir aquele cheiro. Mau gosto pra filmes, onde você ainda não entendeu que eu odeio zumbis? E que eu odeio armas, guerras, caras mascarados esfaqueando todo mundo e filmes de humor que eu fico mais assustado com sua risada no meio do nada que achando graça daquilo. Mas o seu pior mau gosto, sem duvidas, foi eu. Não tinha pessoa no mundo melhor? Eu não gosto de nada, por achar que nada gosta de mim, eu odeio noventa e nove por cento das coisas existentes no mundo. E você está em grande parte desses noventa e nove por cento, mas de alguma forma, consegue tomar só pra você o um por cento inteiro de que eu não odeio. Consegue me fazer te perdoar essas manias irritantes e essa carência de cão sem dono. Consegue ser meloso a ponto de me fazer querer te afastar com chutes, mas me dá espaço quando eu não consigo olhar pra sua cara. E você volta, como você consegue voltar depois de tanta burrada? Eu te xingo do caralho a quatro, digo que te odeio e choro, cara, eu te odeio! Eu choro por sua culpa, choro de raiva, porque eu não consigo ficar com raiva. Choro que nem criança e te mando embora, mesmo você sendo a única pessoa que consegue me fazer parar de chorar. E você sabe disso, porque você não vai. E, de tudo, eu odeio mostrar meu lado bom pra alguém. Odeio deixar que me vejam vulnerável, mas você me obriga a contar as histórias mais tristes e sentidas da minha vida, só pra depois de rir, e me fazer rir, dizer que isso não vai acontecer daqui pra frente. Daqui aonde, para ser exato? Praticamente estamos caminhando no vácuo, para uma direção que você inventa e diz ser a certa. Eu nunca precisei de ninguém, meu coração e um freezer, desses bem vagabundos de boteco, eram quase a mesma coisa. Não ligava pra amor, não dava a minima para as pessoas que iam embora. E eu conto as horas, sim, eu conto até os minutos quando você liga falando que está vindo. E a porcaria do tempo para nessas porcarias de vezes que você liga. E nada sai do jeito que eu quero. Penso um filme antes de você chegar, me faço prometer a mim mesmo que eu não vou te dar tanta corda, que não vou te dar atenção, que vou te dar aquela ignorada bem caprichada, pra você ver que meu mundo não gira em torno dos seus olhos de criança quando vê algum doce. E se dá certo? Claro. Que não. Você faz a porcaria da minha vida querer você em cada cantinho dela, pra bagunçar cada prateleira que eu arrumei com tanto cuidado. Aliás, eu tomei cuidado em cada detalhe para não chegar nesse exato momento, onde eu vou ficar aqui pensando em cada detalhe seu só pra passar o tempo, fazendo uma coisa que, de uma hora pra outra, se tornou rotina: pensar em você. Cair por você. Morrer por você. E justo eu que sempre achei que não morreria por ninguém, estou sendo a pessoa que atira e corre pra pular na frente e te salvar. Hipocrisia, não é? Pois é. E agora eu me pergunto: eu me arrependo? E te odeio um pouco mais por causa dessa resposta. Não, eu não me arrependo. E sim, minha vida depois de você não se compara com aquele inferno de cidades de metais e pedras, que eu vagava todos os dias, tentando fugir da nostalgia do azul-claro do meu quarto. E você me faz isso, me faz admitir coisas que eu morreria negando. Gostar de você é uma delas. E não, eu não vou dizer que te amo tão cedo. Mesmo entregando todos os meus segredos de bandeja. Esse você não me arranca fácil. Mesmo que seja uma tortura imaginar esse sorriso ao ouvir tamanha babaquice. Porque você costuma rir de coisas babacas e idiotas, por isso é assim, mas… pois é. Você é um idiota por completo. Eu odeio idiotas. Mas eu não consigo odiar você, nem um pouquinho, e isso me mata. Você me mata. Mas eu já disse que por você, eu morreria. E feliz. Eu morreria feliz. A culpa é mesmo das estrelas?   (via calculada)

(Source: alentador)

Quote posted on 18/04 at 8:44 pm | 1577 notes Reblogue!
O maior problema do mundo, hoje, é esse. As pessoas acham que falar basta. Não, falar não basta. O amor não tem que ser dito, ele precisa ser sentido, senão ele não sobrevive. Clarissa Corrêa.   (via autorias)

(Source: versificar)

Quote posted on 10/03 at 7:38 am | 51792 notes Reblogue!
E mais uma vez, eu abri uma página sua de uma rede social e fiquei olhando sua foto. Como eu já sorri olhando praquilo, você não tem idéia. Mas das ultimas vezes, infelizmente não era sorrindo que eu olhava, era com desanimo, com saudade e mágoa misturadas. Porque você tinha que morrer? Porque você tinha que matar tudo que eu sentia? Me obrigar a morrer também. Me obrigar a fingir estar viva pra todo mundo. Me obrigar a não chorar, quando tive vontade de chorar. Vontade de te esmurrar, te dizer que você é um idiota, um babaca, um cretino, um fraco, nunca passou disso. Nunca uma piada sua foi engraçada, nunca você me surpreendeu. Nunca. Mas eu não consigo deixar de pensar em você, a cada dia, a cada ato meu. E quando eu procuro outras pessoas, eu procuro imaginando você me vendo. E tendo ódio de mim. Porque eu quero que sinta ódio. Porque ódio significa alguma coisa, e é melhor que indiferença. Você que já foi tudo, já foi minha esperança, foi meu futuro imaginado, hoje não é nada. Não passa de uma foto numa rede social. Se eu vivo bem sem você, porque eu continuo te olhando? Porque eu sempre volto aqui? Porque eu ouço musicas que falam de tristeza? Por quê? Você não vale isso. Mas eu faço. Eu continuo fazendo. Como uma cerimônia de luto, eu sigo a risca. Mas acontece que você não morreu de verdade, do jeito que eu preferia que morresse. Você está ai vivo, vivendo sua vida, fazendo suas coisas, feliz, tranqüilo, sem sentir minha falta, sem olhar minha foto em rede social. Porque eu não consigo? Porque você não podia ser alguém? Eu esperei muito de você? Não. Eu não esperei nada, eu entendi tudo, eu entendia o que ninguém entenderia. Eu respeitei. Eu fiz como você quis. Tudo. Eu me anulei. Eu deixei de me amar, pra todo meu amor ser só seu. Eu voltei atrás. Eu chorei, eu pedi desculpas, eu agüentei besteiras. Agüentei tudo. Ajuntando do chão, migalhas do seu carinho, migalhas do seu amor. Do seu jeito explosivo e calmo. Um dia me amando como se a terra fosse acabar depois da meia noite. No outro dia um desconhecido me pedindo pra tratá-lo como qualquer um, por favor. Você é meu personagem favorito. O dono de todos os meus textos, de todas as minhas histórias. O dono da curvinha das minhas costas. E eu tenho que dizer isso agora, só pra uma foto numa rede social. Porque você morreu na minha vida. Você pediu demissão, seu cargo era o de presidente, era membro honorário do conselho, tinha tapete vermelho e eu me vestiria até de secretária se te agradasse. E você pediu demissão, sem aviso prévio nem nada. Me diz agora? Como viver bem? Como sobreviver, sem essa ponta de angustia? Eu sou feliz, cara. Eu sou feliz demais. Mas eu sou infeliz demais, quando penso em você. Quando penso no que poderia ser, no que poderia ter sido. Eu sei que não dá. Eu nem quero que dê. Não quero mais. Mas não sei o que fazer com esse nó. Vai passar né? Eu sei. Com o tempo eu não vou mais olhar sua foto, nem sofrer, nem pensar o quanto é infeliz tudo o que aconteceu. Tomara que passe logo. Porque a vontade de te ressuscitar as vezes, me domina. Tati Bernardi.    (via nobroke)

(Source: romantizar)

Quote posted on 7/02 at 7:56 pm | 18192 notes Reblogue!

(Source: un-sure)

Photo posted on 9/01 at 9:04 pm | 15133 notes Reblogue! / Via

(Source: stickless)

Photo posted on 7/01 at 9:45 pm | 8792 notes Reblogue! / Via
Pra você guardei o amor que nunca soube dar. O amor que tive e vi sem me deixar, sentir sem conseguir provar, sem entregar e repartir. Pra você guardei o amor que sempre quis mostrar, o amor que vive em mim vem visitar, sorrir, vem colorir solar, vem esquentar e permitir. Quem acolher o que ele tem e traz, quem entender o que ele diz no giz do gesto o jeito pronto do piscar dos cílios, que o convite do silêncio exibe em cada olhar. Guardei, sem ter porque nem por razão ou coisa outra qualquer, além de não saber como fazer, pra ter um jeito meu de me mostrar. Achei, vendo em você, explicação nenhuma isso requer, se o coração bater forte e arder no fogo o gelo vai queimar. Pra você guardei o amor que aprendi vendo os meus pais, o amor que tive e recebi e hoje posso dar livre e feliz, céu cheiro e ar na cor que o arco-íris. Risca ao levitar. Vou nascer de novo, lápis, edifício, tevere, ponte, desenhar no seu quadril meus lábios beijam signos feito sinos, trilho a infância, terço o berço, do seu lar. Guardei, sem ter porque nem por razão ou coisa outra qualquer, além de não saber como fazer, pra ter um jeito meu de me mostrar. Achei, vendo em você, explicação nenhuma isso requer, se o coração bater forte e arder no fogo o gelo vai queimar. Nando Reis.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: com-ternura)

Quote posted on 21/10 at 6:31 pm | 40445 notes Reblogue!

(Source: sexflyn)

Photo posted on 4/10 at 11:10 pm | 13080 notes Reblogue! / Via
Que seja doce o dia que eu abrir as janelas e me lembrar de você. Que sejam doces os finais de tardes, inclusive os de segunda-feira - quando começa a contagem regressiva para o final de semana chegar. Que seja doce a espera pelas mensagens, ligações e e-mails bonitinhos. Que seja (mais do que) doce a sua voz ao falar no telefone. Que seja doce o seu cheiro. Que seja doce o seu jeito, seus olhares, seu receio. Que seja doce o seu modo de andar, de sentir, de demonstrar afeto. Que sejam doces suas expressões faciais, até o levantar de sobrancelha. Que seja doce a leveza que eu sentirei ao seu lado. Que seja doce a ausência do meu medo. Que seja doce o seu abraço. Que seja doce o modo como você irá segurar na minha mão. Que seja doce esse amor! Caio Fernando Abreu.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: romantizar)

Quote posted on 20/09 at 12:53 pm | 16685 notes Reblogue!
Página 1 de 439 1 2 3 4 5 6 7 »